Banco de dados de questões sobre Tipos de Discurso
questões de vestibulares
|
 

Questões Tipos de Discurso

REF. Pergunta/Resposta
origem:Fuvest
tópico:
Redacao

sub-grupo:Tipos de Discurso

pergunta:"Maurício saudou, com silenciosa admiração, esta minha avisada malícia. E imediatamente, para o meu Príncipe:
-Há três anos que não te vejo, Jacinto... Como tem sido possível, neste Paris que é uma aldeola, e que tu atravancas?"
[EÇA DE QUEIRÓS, 'A Cidade e as Serras']

a) Transponha para o discurso indireto o excerto acima, fazendo as adaptações necessárias.
b) Justifique, agrupando-as em dois blocos, as alterações realizadas.




resposta:a) ... E Maurício imediatamente disse para o meu Príncipe que havia três anos que não o via e perguntou como isto teria sido possível, naquele Paris que era uma aldeola, e que Jacinto atrancava.

b) O discurso indireto traz a fala da personagem através do narrador.

origem:Fuvest
tópico:
Redacao

sub-grupo:Tipos de Discurso

pergunta:O primeiro parágrafo de "O Atheneu" neu" é um discurso direto. Passe-o para o indireto.



resposta:Meu pai disse-me, à porta do Atheneu, que eu ia encontrar o mundo e que (eu) tivesse coragem para a luta.

origem:Fatec
tópico:
Redacao

sub-grupo:Tipos de Discurso

pergunta:"Ela insistiu:
- Me dá esse papel aí."

Na transposição da fala do personagem para o discurso indireto, a alternativa correta é:
a) Ela insistiu que desse aquele papel aí.
b) Ela insistiu em que me desse aquele papel ali.
c) Ela insistiu em que me desse aquele papel aí.
d) Ela insistiu por que lhe desse este papel aí.
e) Ela insistiu em que lhe desse aquele papel ali.




resposta:[E]

origem:Outros
tópico:
Redacao

sub-grupo:Tipos de Discurso

pergunta:"A fúria de Alexandre chegara ao auge, e ele disse que arrombaria a porta, que jamais o prenderiam ali."
(A ARMADILHA, Murilo Rubião.)

Assinalar a alternativa que indica a melhor transformação do discurso indireto do texto em discurso direto:
a) - Arrombarei a porta, jamais me prenderão aqui.
b) - Arrombaria a porta, jamais me prenderiam aqui.
c) - Arrombarei a porta se me prenderem aqui.
d) - Arrombaria a porta se me prendessem ali.
e) - Arrombarei a porta, jamais me prenderão ali.




resposta:[A]

origem:Faap
tópico:
Redacao

sub-grupo:Tipos de Discurso

pergunta:O ATENEU é um romance escrito na primeira pessoa e quem o faz é:
a) Bentinho
b) Sérgio
c) João Romão
d) Peri
e) Quincas Borba




resposta:[B]

origem:Fuvest
tópico:
Redacao

sub-grupo:Tipos de Discurso

pergunta:Tentei rir, para mostrar que não tinha nada. Nem por isso permitiu adiar a confidência, pegou em mim, levou-me ao quarto dela, acendeu vela, e ordenou-me que lhe dissesse tudo. Então eu perguntei-lhe, para principiar, quando é que ia para o seminário.
- Agora só para o ano, depois das férias.
(Machado de Assis, "Dom Casmurro")

Neste excerto, que narra um fato ocorrido entre Bentinho e sua mãe, observa-se o emprego do discurso direto e do discurso indireto.
a) Transcreva os trechos em que é empregado o discurso indireto.
b) Transponha esses trechos para o discurso direto, efetuando as necessárias adaptações.




resposta:a) "e ordenou-me QUE LHE DISSESSE TUDO"
"perguntei-lhe, para principiar, QUANDO É QUE IA PARA O SEMINÁRIO"

b) ...e ordenou-me:
- DIGA-ME TUDO.
...perguntei-lhe, para principiar:
- QUANDO É QUE VOU PARA O SEMINÁRIO?

origem:Ufrs
tópico:
Redacao

sub-grupo:Tipos de Discurso

pergunta:Para substituir no texto o discurso direto pelo indireto, foram elaboradas as três reescritas seguintes, uma para cada passagem do texto indicada entre parênteses.

I - Secando as lágrimas, ela perguntou que para ele não era uma pouca vergonha. (1Ž parágrafo)
II - Ele disse que tinha um argumento que ela iria entender. (5Ž parágrafo)
III - O Dr. Paranhos disse a Dirce uma coisinha: ou este tal de feminismo acabava neste dia, ou o que acabava era a mesada dela, se não tivesse acabado a paciência dele antes. (7Ž parágrafo)

Quais são corretas?
a) Apenas I
b) Apenas II
c) Apenas I e III
d) Apenas II e III
e) I, II e III




resposta:[B]

origem:Ufrs
tópico:
Redacao

sub-grupo:Tipos de Discurso

pergunta:Assinale a alternativa que melhor reproduz a primeira fala do diálogo.
a) Alguém perguntou se o presidente não tinha medo de barata.
b) Alguém perguntou se o senhor não tinha medo de nada, presidente.
c) Perguntaram ao presidente se o senhor não tinha medo de barata.
d) Perguntaram a alguém se o senhor, presidente, não tinha medo de nada.
e) Alguém perguntou ao presidente se ele não tinha medo de nada.




resposta:[E]

origem:Puccamp
tópico:
Redacao

sub-grupo:Tipos de Discurso

pergunta:Transpondo as falas de Guido para o discurso indireto, num mesmo período, obtém-se:
a) Disse o negro Guido que o fazendeiro já vinha bem perto, mas seria ele mesmo?
b) Guido afirmou que ele estava por perto, se é que era ele mesmo.
c) Guido disse que ele já vinha bem perto, e depois perguntou se seria ele mesmo.
d) Ao dizer que ele vinha bem perto, o negro Guido duvidou que se tratasse do fazendeiro.
e) Depois de afirmar que o outro viria logo, Guido cogitou: e se não fosse ele?




resposta:[C]

origem:Mackenzie
tópico:
Redacao

sub-grupo:Tipos de Discurso

pergunta:Uma hora o Dito chamou Miguilim, queria ficar com Miguilim sozinho. Quase que ele não podia mais falar. -"Miguilim, e você não contou a estória da Cuca Pingo-de-Ouro... "-"Mas eu não posso, Dito, mesmo não posso! Eu gosto demais dela, estes dias todos..." COMO É QUE PODIA INVENTAR A ESTÓRIA? Miguilim soluçava.
(Guimarães Rosa)

A frase em destaque representa:
a) uma mistura da voz do narrador com o pensamento do personagem, num momento de extrema emoção.
b) a fala do personagem Miguilim, explicando por que não entendia os próprios limites.
c) a fala do personagem Dito, que gostava demais de uma certa narrativa fabulosa e, neste momento terminal, queria ouvi-Ia.
d) a voz exclusiva do narrador, que se distancia da cena narrada, compungido pela dor dos personagens e solidário com ela.
e) a confissão da própria impotência, feita por Dito, num tom de rebeldia.




resposta:[A]

origem:Unesp
tópico:
Redacao

sub-grupo:Tipos de Discurso

pergunta:A questão se refere à seguinte charge de Ziraldo (Ziraldo Alves Pinto, 1932-):

in: ZIRALDO. A ULTIMA DO BRASILEIRO - QUATRO ANOS DE HISTÓRIA NAS CHARGES DO JORNAL DO BRASIL. Rio de Janeiro: Editora Codecri, 1975.

Toda CHARGE, segundo os especialistas em comunicação, tem por objetivo a crítica humorística imediata a um fato ou ocorrência do momento atual, em geral de natureza política. A charge de Ziraldo, embora publicada em 1974, no Jornal do Brasil, resistiu ao tempo, pois o problema que focaliza ainda persiste. Com base neste comentário, responda:
a) No discurso da primeira personagem da charge, as formas verbais "fecha", "vê" e "consegue", juntamente com o pronome "você", exemplificam um uso típico do português coloquial brasileiro. Explique esse uso e reescreva o discurso da personagem de acordo com a norma culta.
b) Levando em consideração a natureza crítica e humorística das charges, interprete os elementos visuais que, no interior do balão, representam o que a segunda personagem imaginou.



resposta:a) Na linguagem coloquial, ocorre a mistura da 2 pessoa com a 3 pessoa. Na norma culta, o texto seria: "Fecha os olhos, e vê se TU consegues imaginar os países ricos, pobres, e os países pobres, ricos".

b) A personagem imagina-se como um cidadão americano: a indumentária - roupas e a cartola comprovam a civilização americana.

origem:Unesp
tópico:
Redacao

sub-grupo:Tipos de Discurso

pergunta:O poema de Oswald de Andrade se apresenta como uma interpretação, um tanto irreverente, de fatos da História, da Cultura e da Literatura brasileiras. Releia-o e, em seguida, responda.
a) A que dados da história literária brasileira alude o poeta ao dizer que "Desde Gonzaga / Somos pastores e desembargadores" e "Desde a Prosopopéia / Somos brasileiros"?
b) Aponte, com base em passagens do texto, a escolha feita pelo poeta, no plano das pessoas do discurso, para sugerir que suas afirmações dizem respeito ao povo brasileiro como um todo.




resposta:a) Refere-se a passagem histórica dos inconfidentes mineiros. PROSOPOPÉIA é a obra literária que marca o início do Barroco (1601) no Brasil.

b) Na forma verbal, SOMOS, o nós inclui o autor no conjunto dos brasileiros.

 


Próxima Página »

Página 1 de 5